«Alguns hospitais encorajam pouco a amamentação»

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

«Alguns hospitais encorajam pouco a amamentação»

Mensagem  li em Dom Jan 30, 2011 2:49 pm


Há 30 anos que Portugal aderiu ao Código de Ética dos substitutos do leite materno, biberões e retinas para proteger e encorajar a amamentação, mas ainda existem muitos hospitais que, nesta área, não são amigos dos bebés, denunciou uma pediatra. A crítica é de Leonor Levy, pediatra e especialista em aleitamento materno, que na terça-feira lança o livro "Um ato de amor", que se anuncia como um guia com "tudo o que precisa de saber para amamentar o seu bebé com sucesso".

Para a especialista, que é membro da Comissão Nacional "Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés", que integra o Comité Português para a Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) desde 1998, ajuda é precisamente o que as mães precisam para conseguirem alcançar o objetivo de amamentar o seu filho.

No hospital, essa ajuda passa por um ambiente amigo dos bebés, que proporcione uma mamada na primeira hora de vida das crianças e esclarecimentos para que as dificuldades sejam ultrapassadas à medida que surgem

Já em casa, a mãe deve receber essa ajuda através de um ambiente tranquilo, para que possa dedicar-se em pleno à criança.

Existem, contudo, muitos fatores externos que podem contribuir para a ideia de que o leite materno pode, ou deve, ser substituído por leites artificiais, apesar de Portugal ter aderido a um Código de Ética que proíbe este tipo de mensagens.

Em 1981, Portugal aderiu ao Código de Ética dos substitutos do leite materno, biberões e retinas, cujo objetivo é "contribuir para assegurar ao lactente uma nutrição adequada, protegendo e encorajando a amamentação e assegurando a utilização apropriada dos substitutos do leite materno".

Este Código - que contempla as condições de comercialização dos substitutos do leite materno, constitui juntamente com as normas que regulamentam os padrões de qualidade dos mesmos substitutos, um documento indissociável e foi elaborado tendo em atenção a saúde da criança -- é ainda, 30 anos depois -- violado por muitos hospitais que não são amigos dos bebés.

No seu livro, Leonor Levy recorda que "a publicidade agressiva a partir das casas produtoras de leite conseguiu atingir os seus objetivos nos anos 50 e 60, chegando-se mesmo a pedir a demonstração da supremacia do leite materno em relação ao leite de vaca", o que terá sido uma "das causas do declínio da amamentação".

Este tipo de publicidade é proibido pelo Código de Ética, proibição que "é continuamente desrespeitada".

"Basta visitar alguns hospitais onde nascem crianças para observar inúmeras referências a marcas que vendem leite artificial, biberões e tetinas" e alguns estabelecimentos oferecem às mães pacotes com brindes deste tipo.

Para a especialista, "comparar o leite de vaca com o leite materno é como equiparar o pronto a vestir e a alta costura".

Estima-se que 95% das mulheres saem das maternidades a amamentar os filhos, mas "muitas dessas mães desistem de amamentar o seu filho durante o primeiro mês de vida do bebé".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a criança seja alimentada exclusivamente com o leite materno até aos seis meses.
(Fonte: Lusa/Sic Online)

Algo tem de mudar, não será?

flower
avatar
li
Admin
Admin

Número de Mensagens : 388
Idade : 45
Localização : Faro
Reputação : 0
Data de inscrição : 27/10/2008

Ver perfil do usuário http://liforum.forumfacil.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum