Afrodisíacos: Mito ou Realidade?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Afrodisíacos: Mito ou Realidade?

Mensagem  li em Sex Nov 14, 2008 2:08 am

Desde a antiguidade que existem substâncias com propriedades afrodisíacas, e dizem os entendidos que alguns alimentos são particularmente activos.

Entre o mito e a realidade, vamos dizer-lhe o que pode esperar desses produtos. É que, provavelmente, o melhor afrodisíaco é a imaginação humana...

Através dos tempos, as substâncias afrodisíacas sempre tiveram um lugar de destaque na cultura popular e na literatura universal. Vários alimentos e bebidas, assim como receitas de pratos completos, foram-se destacando pelas suas propriedades como estimuladores sexuais.

Geralmente, são destinados apenas ao sexo masculino, mas os seus efeitos também apresentam resultados nas mulheres. Contudo, tradicionalmente, foram-lhes sendo aconselhando substâncias calmantes e outras capazes de favorecer a sua fertilidade e a produção de leite para amamentação.

Algumas partes dos animais, como os miolos ou os órgãos genitais, além de outras tanto ou mais exóticas, são as mais indicadas para estimulação sexual. Ao contrário, a carne de porco e de borrego não são alimentos que se aconselhem a quem quer dar novo ânimo a apetite sexual.

Para isso, o melhor é optar por algumas ervas aromáticas e especiarias que, ao longo da História, já fizeram prova das suas potencialidades. Os seus efeitos eram tão surpreendentes que algumas até foram proibidas nos mosteiros e conventos!

Afrodisíacos ou superstição

Na maioria dos casos, apesar do enorme fascínio que exercem sobre o ser humano, os afrodisíacos não passam de meras superstições. Surgidas do acaso e da vontade do homem, as características que são atribuídas a vários alimentos afrodisíacos baseiam-se, com frequência, em razões pouco ou nada científicas.

Por vezes, é a configuração do alimento que induz a determinada crença. É o que acontece no caso das ostras e dos figos ou, devido às suas formas fálicas, com o alho francês, a banana, os espargos e as enguias.

Por outro lado, a simbologia de um dado alimento, que o associa à força, ao poder ou à raridade do ser que o origina, como os testículos ou o pénis dos animais, as barbatanas de tubarão ou as línguas de ganso também podem causar uma associação a poderes mágicos.

O odor libertado por um alimento também pode contribuir para a sua eleição como afrodisíaco. É o que acontece com as trufas que possuem uma grande quantidade de androsterona, uma hormona à qual se atribui o aumento do poder de atracção do macho sobre a fêmea.

Mas o que há de científico nisto tudo?

De todas as substâncias alimentares intituladas afrodisíacas, a única que poderá ter efeito real é a ioimbina vegetal que causa vasodilatação da região lombossagrada e portanto, dos órgãos genitais.
Os demais alimentos apenas proporcionam um bem-estar geral, indispensável ao desejo sexual.

Porém, o povo defende que “comendo e bebendo, o amor vai crescendo”, e o nutricionista californiano Bernard Jensen aponta a alimentação deficiente como a causa para a baixa qualidade do sexo contemporâneo.

Esta afirmação é suportada, do ponto de vista científico, pela acção dos constituintes dos alimentos sobre os neurotransmissores envolvidos no prazer sexual, nomeadamente os que activam a acetilcolina e dopamina (estimulantes) e limitam a acção da serotina (inibidora).

No entanto...

Apesar do possível envolvimento dos constituintes alimentares na sexualidade humana, a Enciclopédia Britânica adverte que em nenhum dos alimentos ditos afrodisíacos “se identificou qualquer agente químico eficaz, devendo considerar-se que a reputação dos supostos alimentos eróticos não se baseia em factos, mas no folclore”.

Estas afirmações sustentam a teoria de que não há alimentos afrodisíacos e que os efeitos estimulantes são apenas reacções psicológicas.
A American Food and Drug Administration (FDA) proíbe a comercialização de “qualquer produto que pretenda estimular o desejo sexual ou melhorar as “performances” sexuais, porque não existem dados suficientes que provem a eficácia e a inocuidade de qualquer ingrediente deste tipo”.

Há que considerar que a alimentação é mais do que um modo de obtenção de nutrientes. Também é tradição, educação e fonte de prazer. A comida, e o contexto em que é ingerida, é tida por alguns especialistas como um afrodisíaco indirecto.

Independentemente do efeito positivo que os afrodisíacos possam ter a nível psicológico, dizem os entendidos que “o verdadeiro afrodisíaco é a fantasia humana”. Fonte: Sapo - Mulher

Por isso meninas, imaginação é preciso!!! Ponham essas cabecinhas a funcionar... Wink

flower
avatar
li
Admin
Admin

Número de Mensagens : 388
Idade : 45
Localização : Faro
Reputação : 0
Data de inscrição : 27/10/2008

Ver perfil do usuário http://liforum.forumfacil.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Afrodisíacos: Mito ou Realidade?

Mensagem  Margarida Iria em Seg Nov 17, 2008 9:00 am

Também concordo que a fantasia é o maior afrodisiaco.

Temos que ter a mente aberta e muita imaginação e deixar a fantasia falar, aí de certeza não é preciso nem paus de cabinda, nem ostras, mem chocolate nada disso...

É claro que nas nossas fantasias podemos utilizar alimentos Shocked como chantilly morangos, oleos comestiveis... flower flower flower
avatar
Margarida Iria
Novata(o)
Novata(o)

Número de Mensagens : 34
Idade : 37
Localização : Faro
Reputação : 0
Data de inscrição : 13/11/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum